Make your own free website on Tripod.com
A Potência das Locomotivas
Edmar Mammini
 
 
As primeiras locomotivas que ainda eram a vapor tinham potência da ordem de 60 a 80 CV - Cheval a vapeur- ou Cavalo Vapor, que eqüivale a elevação de um peso de 75 Quilogramas em 1 segundo a um metro de altura.
 Embora um pouco maçante vamos explicar um pouco o que é força , trabalho e potência tendo em vista que muitos confundem isso e se atrapalham ao raciocinar.
O trabalho é uma grandeza escalar, e faz sentido somente quando se tem componentes das forças aplicadas na direção do movimento. Se empurramos um muro com toda a força que possamos exercer não estamos realizando trabalho nenhum se não o movimentamos.
Um homem que precise carregar uma mala do térreo ao 4.andar de um prédio, pode carregá-la à mão, e subir pelas escadas ou pode ir de elevador. Em ambos os casos o trabalho realizado quer seja pelo homem ou pelo elevador é o mesmo. Repare que a distância percorrida pelo elevador é menor que a percorrida pelo homem ao subir as escadas, o que conta é a distância efetiva entre os dois pontos de deslocamento da carga.
 Trabalho é a esforço que se faz para deslocar uma massa, assim, se deslocarmos 1 Kg ao longo de 1 m teremos exercido o trabalho de um Kilogrâmetro que é a unidade de trabalho. Força é simplesmente o esforço que se faz, sem considerar a distância ou o tempo.
Conceito de Potência
Uma locomotiva capaz de transportar em 2h um trem de uma cidade para outra é mais possante do que outra locomotiva que leva 3h para puxar o mesmo trem ao longo do mesmo percurso, ou seja, para realizar o mesmo trabalho.
Para exprimir a potência de uma pessoa ou de um motor, é necessário conhecer o tempo que cada um deles gasta para realizar um determinado trabalho. Generalizando, podemos dizer que a potência com que uma força realiza um trabalho é a razão entre esse trabalho e o tempo gasto em sua realização.
 
Potência é o trabalho exercido durante um determinado tempo. Para se calcular a potencia de uma locomotiva modelo deve-se levar em conta a sua massa e sua aceleração, dessa forma temos a seguinte Fórmula a apresentar : a pot. do modelo é igual ao do verdadeiro vezes a escala elevada a potência 3,5.
Força Real = Força  Mod 3,5 x log Escala , acha-se o colog e tem-se  o valor ; ou 87 elevado a 3.5
Exemplo , uma locomotiva HO típica tem potência da ordem de 0,6 a 1,2 Watts. Estando em escala HO de 1:87 teremos 6.142.107 x 0, 6 = 3.685.264 Watts ou dividindo-se por 736 = a 5.000 CV , em HP tem um pouca mais de potência, mas é desprezível em números absolutos. Sem querer dar aula de Física, um CV eqüivale a 736 Watts (acredite ou vá
consultar um livro de física e saber porque.) Lembre-se que força e potência são coisas diferentes mas para fim de raciocínio calculamos somente a força desprezando o tempo  e imaginando que o tempo seja o mesmo para modelo e real.
 
Por aí tira-se uma conclusão simples, uma locomotiva de modelo tem muito mais "potencia" do que as reais, nas devidas proporções, tendo-se em conta que as locomotivas a vapor tinham nos anos 10 até 40 entre 800 até 2.300 CV,
com raras exceções como a Big Boy , algumas Mallet, e a Garrat Inglesa. Já se fabricou modelos de locomotivas HO com 5 e até 6 Watts efetivos.
Não confunde watts efetivos com watts consumidos pelos motores, os motores das HO quando bons, tem um rendimento de 60% ou seja, jogam fora 40% da energia consumida. Os ruins rendem 40% e jogam 60%. Para se medir isso é necessário um dinamômetro, não se meta a fazer as coisas a olho que você terá um resultado a olho também.
Podem os Srs. modelistas observar que o que se comenta é real, ao tracionarem dezenas de vagões em uma maquete que dificilmente a locomotiva abre o bico, ao passo que na realidade necessita-se de muita técnica e potência para se fazer isso. Outro fator que acontece melhor no modelo do que na realidade é a aderência, lembre-se que muitos modelos possuem um anel de borrachasintética nas rodas , isso nunca existiu em trem, a única coisa parecida é em certas linhas do metrô de Paris que tem pneus tracionando e trilhos e
rodas metálicas guiando.

 
 

Deslocamento da carga no sentido da força aplicada
Retornar à página principal